Efeitos do Rede Solidária já refletem na Educação e Segurança do Dom Antônio

  • Assistência Social
  • 25/junho/2017 9:30 am
  • Agência de Noticias do Governo de Mato Grosso do Sul

Em funcionamento há um ano e meio, projeto do Governo do Estado tem transformado a realidade de crianças, adolescentes e adultos de um dos bairros mais carentes da Capital.

Campo Grande (MS) - O trabalho social realizado pelo Programa Rede Solidária, do Governo do Estado, já tem refletido nos índices de evasão escolar e na melhoria da segurança e qualidade de vida na região do bairro Dom Antônio Barbosa, em Campo Grande.

“Sem dúvida a instalação do Rede Solidária no Dom Antônio Barbosa já tinha, desde o início, essa missão de levar mais opções de desenvolvimento humano para todos da região. É ótimo ver que em tão pouco tempo já estamos conseguindo alcançar nossos objetivos com resultado na diminuição das estatísticas de violência. Nosso desejo é que com o avanço de nosso trabalho esses índices melhorem cada vez mais”, disse a Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), Elisa Cleia Nobre. 

Para participar do programa, alunos precisam comprovar frequência escolar.

“Em 2015, antes do início do projeto, cheguei a começar com 40 alunos em sala e terminar o ano com apenas 14. Tinha uma evasão escolar enorme”, contou Pedro Novaes, diretor da Escola Estadual Professor Tereza Noronha de Carvalho – a mais próxima do projeto e que atende às crianças e adolescentes do bairro.

De acordo com ele, esses números começaram a mudar há um ano e meio, quando teve início o Rede Solidária. Isso porque para participar das aulas gratuitas – que incluem de ballet a futebol – as crianças e adolescentes precisam comprovar frequência em sala de aula. “O Rede Solidária manda um papel para a escola carimbar, confirmando a presença”, explicou Pedro.

Além do fim da evasão, o diretor aponta melhorias no comportamento dos alunos. “Em 2017, por exemplo, não tivemos nenhum registro de depredação, nada de pichação, nenhum dano ao patrimônio”, comentou. “Essa relação de pertencimento que os alunos passaram a ter com o projeto melhorou tudo”, disse.

Segundo ele, as notas também refletiram a mudança. “Estamos em uma das maiores periferias da cidade. Esses resultados nos dão um sentimento de que a nossa missão está sendo cumprida”, comentou o diretor.

Segurança

Aulas de capoeira estão entre as atividades oferecidas gratuitamente.

Comandante do 10º batalhão da Polícia Militar - que atende à região do Dom Antônio - o tenente-coronel Emerson de Almeida acompanhou a implantação do projeto e diz que toda a comunidade já tem percebido seus efeitos positivos. 

Entre eles, Almeida aponta a diminuição de ocorrências ligadas ao tráfico de entorpecentes, como roubos e furtos, que tinham grande incidência na região.

“O Rede está ajudando a implantar medidas para retirar ou evitar aquelas crianças e adolescentes do convívio da droga. Os efeitos já podem ser sentidos, mas esse é um trabalho em que os resultados vão aparecer mais ainda a médio prazo”, afirmou.

Outro ponto apontado pelo comandante é a aproximação da polícia com a comunidade. “Fazemos a segurança de quem participa do projeto e com isso conseguimos nos aproximar das pessoas, acabou se tornando um ponto de apoio para a comunidade”, destacou.

Moradores e familiares avaliam que atividades deixaram crianças e adolescentes mais dóceis e comunicativos.

Ele destacou ainda os benefícios para a autoestima dos moradores. “A população tinha a sensação de que estava esquecida e aí o Poder Público vai lá e coloca uma estrutura imensa à disposição comunidade, criou um referencial para o bairro”, avaliou. 

“O Rede Solidária veio para a vila e tirou muita criança da rua. Elas não tinham opção e ficavam brincando fora de casa e até brigando, mas agora a realidade é diferente. Percebo que o comportamento delas mudou, são mais gentis. Moro aqui há 22 anos e só depois do Rede vi essa diferença, e isso é muito bom porque esses jovens estão se preparando para o futuro”, contou Magda Muniz Barreto, representante do bairro. 

Moradora do bairro há 19 anos, Cláudia Ataíde Dias, de 41 anos, disse perceber a diferença nas crianças e adolescentes. “Deu uma chance àqueles que querem ter um futuro melhor”, afirmou. Ela disse ter tido alívio em relação a uma ocupação segura para as filhas.

“Eu trabalhava e tinha que pagar alguém para cuidar delas porque ficava muito preocupada. Agora elas têm um lugar bom para ficar e estão mais comunicativas depois que começaram a fazer as aulas”, detalhou a mãe, que agora também está frequentando o programa inscrita no curso de eletricista. Suas filhas de oito e 13 anos fazem aulas de karatê, ballet, flauta e capoeira pelo programa. Ela conta que não teria condições de pagar nenhuma das aulas sem o Rede Solidária.

Serviço

Na unidade do Rede Solidária Dom Antônio Barbosa são oferecidas as oficinas de coral, teatro, informática, artesanato, brinquedoteca, karatê, capoeira, futebol, danças urbanas, ballet, violão, bateria, e diversas outras, todas com vagas abertas. Já ultrapassa dez mil o número de atendimentos feitos no local, beneficiando 1.325 famílias.

Também são oferecidos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) cursos profissionalizantes de assistente administrativo, modelista de roupas, operador de computador, eletricista e padeiro, com turmas sendo constantemente formadas. Interessados em participar devem fazer a inscrição pessoalmente na unidade, situada na Rua Adelaide Maia Figueiredo, nº. 1.879, Bairro Dom Antônio Barbosa.

Danúbia Burema - Subsecretaria de Comunicação (Subcom) e Leomar Alves Rosa - Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast)

Fotos: Arquivo / Rede Solidária 

Veja Também
Últimas Notícias

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.