Governadora em exercício propõe Pacto Binacional de Enfrentamento à Violência contra Mulheres

  • Gestão
  • 05/maio/2017 5:57 pm
  • Agência de Noticias do Governo de Mato Grosso do Sul

Ponta Porã (MS) – A governadora em exercício de Mato Grosso do Sul, Rose Modesto, propôs nesta sexta-feira (5.5) em Ponta Porã a criação do Pacto Binacional de Enfrentamento à Violência contra Mulheres na Fronteira. A sugestão foi feita em audiência pública realizada nesta tarde no Centro Internacional de Convenções Miguel Gomez, com a presença de autoridades brasileiras e paraguaias.

“Este acordo pretenderá alinhar as políticas de Mato Grosso do Sul e do Governo do Paraguai para ações de prevenção e combate à violência contra as mulheres. Coloco a nossa Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres à disposição, e também eu pessoalmente quero acompanhar os trabalhos do grupo para que avancemos ainda mais na integração de políticas dos dois lados da fronteira em prol das mulheres”, citou a governadora em exercício.

Subsecretária de Estado de Políticas Públicas para Mulheres, Luciana Azambuja Roca, discute sobre a violência contra a mulher.

A audiência contou as presenças da subsecretária de Estado de Políticas Públicas para Mulheres, Luciana Azambuja Roca, a senadora Simone Tebet, entre outras autoridades. “Desde que assumimos em 2015 trabalhamos para aumentarmos o número de Coordenadorias Municipais de Políticas para Mulheres. Atualmente, temos 34 órgãos funcionando ou em fase de implantação. Isso é extremamente importante para a articulação de políticas públicas entre os municípios e o Estado, o que vai fortalecer, inclusive, o nosso pacto bilateral, uma vez que já temos políticas sistematizadas do lado de cá da fronteira (MS)”, descreveu a subsecretária, que ainda cita: “A intenção é criar as coordenadorias nos 79 municípios”.

A criação do grupo deve acontecer nos próximos dias, com a nomeação em Diário Oficial dos órgãos participantes tanto do Paraguai quanto do Brasil. “É um passo importante a ser dado para o enfrentamento da violência contra as mulheres. Precisamos unir forças com o Paraguai para cuidarmos também das nossas mulheres que sofrem violência na região de fronteira, e muitas vezes, não recebem o tratamento adequado por conta de entraves burocráticos entre os países”, apontou.

Números que assustam

Mesmo com o combate constante à violência, os números ainda assustam.  Em Mato Grosso do Sul, somente nos três primeiros meses de 2017, foram registrados 4.917 boletins de ocorrência por violência contra a mulher nas delegacias de polícia, sendo 3.233 no interior do Estado, ou seja 65,75% dos dos casos.

Dos seis feminicídios consumados, cinco foram em municípios do interior e, das 12 tentativas, oito ocorreram no interior. Enquanto isso, o Centro de Atendimento Especializado à Mulher (Ceam), em Campo Grande, mantido pelo Governo do Estado, atende 30 novas mulheres por mês com atendimentos psicossociais e encaminhamentos para Creas e Funtrab.

Michelle Rossi – Assessoria da Vice-Governadoria

Fotos: Leca

Veja Também
Últimas Notícias

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.