Governo vê “momento positivo” para consolidar Rota de Integração Latino-Americana

  • Geral
  • Thereza Christina Amendola da Motta
  • 07/julho/2017 4:16 pm
  • Agência de Noticias do Governo de Mato Grosso do Sul

Campo Grande (MS) – O momento é extremamente positivo para se consolidar a RILA (Rota de Integração Latino-Americana), avalia o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck. Ele vê o governo paraguaio empenhado no projeto e acredita que o sonho de se abrir um caminho para o Pacífico está mais próximo do que nunca.

“O momento é muito positivo para realizar esse projeto. E além da logística, do fator econômico quanto ao escoamento da produção via Pacífico, temos que olhar a questão turística. Por isso o governo do Estado coloca esse projeto como estratégico do ponto de vista do desenvolvimento de Mato Grosso do Sul”, disse Verruck, em evento na noite desta quinta-feira (6), na sede da concessionária de veículos Discautol, em Campo Grande.

O evento serviu para divulgar o Plano de Ação da excursão que acontece na segunda quinzena de agosto pelo traçado definido para a RILA, e outras atividades correlatas. Estavam presentes, além de Verruck, o secretário de Infraestrutura do Estado, Marcelo Miglioli, empresários do ramo de transportes e demais convidados.

Excursão

A excursão rumo ao Oceano Pacífico parte de Campo Grande às 7h do dia 19 de agosto e às 14h faz a primeira parada, em Porto Murtinho, na fronteira com o Paraguai. Lá, o grupo composto por empresários, autoridades e comunicadores visitam o local onde deve ser construída a ponte sobre o Rio Paraguai, jantam com autoridades locais e assistem a apresentações folclóricas.

No dia 20 de agosto, logo cedo, o comboio atravessa o Rio Paraguai em balça e seguem em direção a Loma Plata, no Chaco paraguaio, com previsão de chegada ao meio-dia. À tarde seguem até Mariscal Estigarribia, onde pernoitam. No dia seguinte a meta da manhã é chegar a Poso Hondo, fronteira com a Argentina; o pernoite será na cidade de Tartagal, já em território argentino.

No dia 22 a viagem chega ao Chile pela cidade de Paso de Jama e pernoita em San Pedro de Atacama, importante centro turístico. Os excursionistas poderão conhecer alguns pontos de visitação. Finalmente, dia 23, o grupo já almoça em Antofagasta, no litoral do Pacífico. Serão, portanto, cinco dias de viagem percorrendo cerca de 3 mil quilômetros, nem sempre por asfalto.

O Paraguai deve iniciar o asfalto de 300 quilômetros nos próximos dias, a Argentina já está providenciando 100 quilômetros de estrada e o Chile está praticamente pronto para receber a RILA. Quanto ao Brasil, cabe metade da construção da ponte internacional que ligará Porto Murtinho a Carmelo Peralta (PY), projeto que mereceu o apoio da bancada federal por meio de indicação de emendas parlamentares.

Negócios

No Chile acontece a primeira reunião de negócios do grupo com empresários e autoridades locais. Será em Antofagasta, pela manhã. À tarde começa o retorno rumo a Salta ou Jujuy, na Argentina. Dia 25 está programada outra rodada de negócios e reuniões com autoridades da Argentina em Salta. No dia 26 o grupo atinge Assunção, à noite, e realiza a última rodada de negócios com autoridades e empresários paraguaios, no dia 27. Em seguida parte rumo ao Brasil, devendo chegar à noite em Ponta Porã.

Primeira RILA

Da esquerda: Miglioli, Cavol, Verruck e o gerente da Discautol André Oshiro

A primeira edição da Rota de Integração Latino-Americana aconteceu em setembro de 2013. Um grupo de empresários do Centro-Oeste do Brasil, também de São Paulo e Paraná partiram de Campo Grande rumo a Iquique, no Chile, num comboio de 30 veículos. Eles fizeram um traçado diferente, foram por Corumbá, atravessaram a Bolívia até chegar ao Chile, percorrendo cerca de 2,5 mil quilômetros.

“Desde então, realizamos outras quatro viagens de forma solitária onde mapeamos quatro possíveis rotas para chegarmos a esta última, por Porto Murtinho, que é, economicamente, a mais barata e que atende às necessidades técnicas para atingirmos os portos do Chile”, disse o presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas e Logística de Mato Grosso do Sul, Cláudio Cavol.

Ele destacou o apoio do governo do Estado a “este ambicioso projeto” e o empenho da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e da Seinfra (Secretaria de Estado de Infraestrutura). “Felizmente a equipe técnica do governador Reinaldo Azambuja incorporou essa ideia”, disse.

A RILA (Rota da Integração Latino-Americana) é organizada pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Mato Grosso do Sul (SETLOG/MS), com apoio do governo do Estado, por intermédio da Semagro e da Seinfra. Conta ainda com apoio da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), que coordena a Rede Universitária do Corredor Bioceânico com estudos técnicos em conjunto com as universidades do Paraguai, Argentina e Chile.

Fotos: Nolli Corrêa

Veja Também
Últimas Notícias

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.