Oficina de costura em presídio ocupa e profissionaliza detentas com a produção dos próprios uniformes

  • Agepen
  • Keila Terezinha Rodrigues de Oliveira
  • 10/julho/2023 5:30 am
  • Agência de Noticias do Governo de Mato Grosso do Sul

No EPFIIZ (Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi”), são as próprias reeducandas as responsáveis pela confecção e reparo dos uniformes utilizados por elas. Além de economia aos cofres públicos, a iniciativa garante ocupação produtiva e remição na pena para as internas, além de ser um meio de se capacitarem na área de costura.

O trabalho é coordenado pela policial penal Michele Aparecida Fruhauf, responsável pela oficina de costura e artesanato do presídio, com a atuação de 10 reeducandas. “Temos duas que já têm a experiência em corte e costura, que vão ensinando as demais que não conheciam o trabalho, é uma forma de multiplicar o conhecimento também”, informa, ressaltando que a oficina é permanente na realização de reparos.

M.R. de A. A., 46 anos, uma das detentas que atuam na oficina, conta que aprendeu a costurar na unidade prisional e pretende continuar nesta área. “O trabalho é muito bom, porque temos a opção de sair daqui com uma profissão, além de ser uma forma de voltarmos mais rápido para casa, já que temos a remição, e também de ocupar a mente”, agradece.

A cada três dias de serviços prestados na oficina de costura da unidade prisional, um é diminuído na pena a ser cumprida, conforme está estabelecido na Lei de Execução Penal.

No momento, estão sendo produzidas na oficina de costura do presídio 800 peças de uniformes, entre bermudas e camisetas. A produção tem o apoio da direção do Estabelecimento Penal “Jair Ferreira de Carvalho”, que doou materiais para a confecção.

Para a diretora do EPFIIZ, Mari Jane Boleti Carrilho, a uniformização na vestimenta promove igualdade e melhora a segurança no presídio, além de tornar o ambiente prisional mais salubre e limpo, já que evita o acúmulo de roupas nas celas.

A confecção própria de uniformes também ocorre em outras unidades prisionais do Estado, como as Penitenciárias da Gameleira I e II, em Campo Grande; Unidade Penal “Ricardo Brandão”, em Ponta Porã; a Penitenciária de Segurança Máxima de Naviraí; e o Estabelecimento Penal de Bataguassu, entre outras.

O oferecimento de ocupação produtiva dentro das unidades penais e assistenciais de Mato Grosso do Sul é coordenado pela Diretoria de Assistência Penitenciária da Agepen, por meio da Divisão de Trabalho Prisional.

Keila Oliveira, Agepen

Veja Também
Últimas Notícias

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.